terça-feira, 15 de outubro de 2019

DIA DO PROFESSOR

"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina"

Cora Coralina






Você sabia que no dia 15 de outubro é comemorado o Dia 
do Professor aqui no Brasil? A data surgiu como costume no 
ano de 1827, consagrada à educadora Santa Tereza D’Ávila.
Nesse mesmo dia, D. Pedro I baixou um decreto que criava
 o Ensino Elementar no Brasil, mas, somente em 1947, 120 
anos depois, a data passou a ser celebrada.
   
Essa comemoração também acontece em outros países do 
mundo. Confira abaixo:
  1. No dia 28 de março, os professores tchecos são homenageados e premiados pelo governo, pois esta é a data do nascimento do educador, escritor e cientista Comenius (Jan Amos Komenský).
  2. Nos EUA, o Dia dos Professores acontece sempre na terça-feira da primeira semana de maio, exceto em Massachusetts, onde a data é celebrada em 11 de setembro.
  3. Na Coreia do Sul, a data é comemorada no dia 15 de maio. Como costume, ex-alunos visitam seus professores com presentes, para mostrar respeito e gratidão aos ensinamentos.
  4. Na Índia, a comemoração é feita no dia 5 de setembro, aniversário do professor e ex-presidente Dr. Sarvapalli Radhakrishnan.
  5. Os chineses comemoram a data no dia 10 de setembro, mas muitas pessoas pedem para que esta volte a ser celebrada em 28 de setembro, dia do nascimento do filósofo Confúcio. Em Taiwan (República da China), a data também é uma homenagem ao pensador.
  6. O dia 5 de outubro foi estipulado pela Unesco como o Dia Internacional dos Professores. A intenção é fazer com que a população mundial reflita sobre o importante papel que nossos mestres exercem para a humanidade.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

DIA DAS CRIANÇAS

O Dia das Crianças é uma data comemorada em diferentes países. De acordo com a história e o significado da comemoração, cada país escolhe uma determinada data e certos tipos de celebração para lembrar de seus menores. Ao mesmo tempo, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) convencionou o dia 20 de novembro para se comemorar o dia das crianças.

A escolha desta data se deu porque nesse mesmo dia, no ano de 1959, o UNICEF oficializou a Declaração dos Direitos da Criança. Nesse documento, se estabeleceu uma série de direitos válidos a todas as crianças do mundo como alimentação, amor e educação. No caso brasileiro, a tentativa de se padronizar uma data para as crianças aconteceu algumas décadas antes.

Em 1923, a cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, sediou o 3º Congresso Sul-Americano da Criança. No ano seguinte, aproveitando a recente realização do evento, o deputado federal Galdino do Valle Filho elaborou o projeto de lei que estabelecia essa nova data comemorativa. No dia 5 de novembro de 1924, o decreto nº 4867, instituiu 12 de outubro como data oficial para comemoração do Dia das Crianças.

Entretanto, a data não se tornou uma unanimidade imediata. Somente em 1955, a data começou a ser celebrada a partir de uma campanha de marketing elaborada por uma indústria de brinquedos chamada Estrela. Primeiramente, Eber Alfred Goldberg, diretor comercial da empresa, lançou a chamada “Semana do Bebê Robusto”. O sucesso da campanha logo atraiu a atenção de outros empresários ligados à indústria de brinquedos.

Com isso, lançaram uma campanha publicitária promovendo a “Semana da Criança” com o objetivo de alavancar as vendas. Os bons resultados fizeram com que esse mesmo grupo de empresários revitalizassem a comemoração do “12 de outubro” criado pelo deputado Galdino. Dessa forma, o Dia das Crianças passou a incorporar o calendário de datas comemorativas do país.


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola




O Dia das Crianças é uma data comemorada em diferentes países. De acordo com a história e o significado da comemoração, cada país escolhe uma determinada data e certos tipos de celebração para lembrar de seus menores. Ao mesmo tempo, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) convencionou o dia 20 de novembro para se comemorar o dia das crianças.

A escolha desta data se deu porque nesse mesmo dia, no ano de 1959, o UNICEF oficializou a Declaração dos Direitos da Criança. Nesse documento, se estabeleceu uma série de direitos válidos a todas as crianças do mundo como alimentação, amor e educação. No caso brasileiro, a tentativa de se padronizar uma data para as crianças aconteceu algumas décadas antes.

Em 1923, a cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, sediou o 3º Congresso Sul-Americano da Criança. No ano seguinte, aproveitando a recente realização do evento, o deputado federal Galdino do Valle Filho elaborou o projeto de lei que estabelecia essa nova data comemorativa. No dia 5 de novembro de 1924, o decreto nº 4867, instituiu 12 de outubro como data oficial para comemoração do Dia das Crianças.

Entretanto, a data não se tornou uma unanimidade imediata. Somente em 1955, a data começou a ser celebrada a partir de uma campanha de marketing elaborada por uma indústria de brinquedos chamada Estrela. Primeiramente, Eber Alfred Goldberg, diretor comercial da empresa, lançou a chamada “Semana do Bebê Robusto”. O sucesso da campanha logo atraiu a atenção de outros empresários ligados à indústria de brinquedos.

Com isso, lançaram uma campanha publicitária promovendo a “Semana da Criança” com o objetivo de alavancar as vendas. Os bons resultados fizeram com que esse mesmo grupo de empresários revitalizassem a comemoração do “12 de outubro” criado pelo deputado Galdino. Dessa forma, o Dia das Crianças passou a incorporar o calendário de datas comemorativas do país.


Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola





A criança é por natureza um ser do encantamento, um ser que experimenta a leveza, e que não retém a dor.


 A criança faz do mundo o que ela conseguir inventar.



PROFESSOR


ALUNA VENCEDORA DA REDAÇÃO



A aluna Stefani Cardoso dos Santos Silva, teve a redação escolhida sobre a atividade extra-curricular ocorrida na visita ao Zôo Parque, em Itatiba, e representará a escola em um jantar, com a família, no Rotary Club/Campinas-Norte.
Parabéns.

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

PERSONALIZAÇÃO DO ENSINO

Recomendamos a leitura do texto abaixo sobre pesquisa que aborda o uso da tecnologia na aprendizagem. Aproveite e leia o Guia Porvir sobre PERSONALIZAÇÃO DO ENSINO.

Porvir
Uma pesquisa encomendada pelo Google ao Instituto YouGov mostra o posicionamento de pais e de professores em relação ao uso de tecnologias na sala de aula. Se por um lado 95% dos educadores entendem que a tecnologia prepara os alunos para o futuro, 47% dos familiares entrevistados avaliam que os recursos digitais são atualmente usados da melhor maneira para beneficiar a aprendizagem dos alunos.
O levantamento foi realizado por meio de formulário online, com 300 educadores (72% de ensino público, 27% privado e 1% ONG/Fundações) e 500 pais de alunos (56% público, 41% privado e 3% ONG/Fundações). Entre as famílias, 87% têm filhos no ensino fundamental (6-15 anos) e 13% no ensino médio (16-18 anos).
Em outros momentos, as opiniões seguem na mesma direção. Enquanto 95% dos professores concordam que trazer a tecnologia para a sala de aula pode tornar o aprendizado mais atraente para os alunos, tal ideia também é defendida por 91% dos pais brasileiros.
Entre os maiores desafios mencionados pelos professores estão o envolvimento dos alunos (77%) e o tempo para fazer tudo o que é necessário (60%). Novamente a tecnologia aparece como fator para virar o jogo: 9 em cada 10 acreditam que a tecnologia pode tirar da frente o trabalho repetitivo.
A equidade no acesso, isto é, promover oportunidades iguais para o bom uso da tecnologia é uma preocupação para 82% dos educadores, já que é com o apoio de computadores e recursos digitais de aprendizagem que conseguirão desenvolver com os alunos habilidades para o futuro, tais como comunicação, colaboração, criatividade e pensamento crítico.
Os pais mencionam ainda outra tendência que já foi motivo de um guia Porvir: a personalização do ensino. Cerca de 74% deles concordam que a tecnologia permite que alunos aprendam em seu próprio ritmo.


LEIA AQUI - ARTIGO DO PORVIR

Como a Arte desperta a criatividade dos alunos?

OUÇA AQUI o podcast do professor de Arte Jayse Ferreira, da rede pública da cidade de Itambé, Pernambuco. Ele é  referência por ter levado seus alunos a produzir trabalhos com temas que fizessem sentido para a vida deles, nos mais diversos formatos: fotografia, audiovisual, produção literária.

Entrevistados por Alvaro Fernandes e Larissa Moraes do Estante Mágica

Veja mais: https://ler.estantemagica.com.br/como-a-arte-desperta-a-criatividade-dos-alunos/
 Aproveite e leia o texto:



Para além de uma obrigação, a leitura é algo que pode ser apaixonante para pessoas de todas as gerações. Desde cedo, a escola tem papel fundamental para despertar essa paixão nos alunos.
Para aprofundar essa discussão, nós convidamos o Willmann Costa, professor de Língua Portuguesa e a Andreia Casimiro de Abreu, professora de Educação Infantil, para saber o que é fundamental para os alunos criarem gosto pela leitura em sala de aula. O resultado foi excelente, uma conversa super rica!
Ambos são apaixonados por Educação, tendo os dois mais de 20 anos de “estrada”.  Listei os aprendizados que mais gostei abaixo. E se você prefere ouvir  em vez de ler, você consegue escutar a conversa inteira clicando aqui!
Vamos lá:

Importância do Canto da leitura. Ter um espaço confortável na sala para que os alunos tenham acesso em momentos livres é importante para criar essa relação de toque, de afeto com os livros. Eles podem estar guardados em uma caixa, um baú, uma estante, onde for melhor!
Mesmo se ainda estiver no início do processo de alfabetização, o manuseio com os livros já é essencial para desenvolver o letramento do aluno, isto é, se trata de uma imersão no mundo de possibilidades do universo literário. Assim, o aprendizado fica mais fluído, porque ele começa a se familiarizar com a existência do livro literário, para que ele serve, qual o objetivo de ler na vida e por aí vai.
Ler um livro ao final da aula. Essa é uma forma de acalmar os alunos e fazê-los concentrar em uma história com prazer. Para ser outra maneira de estimular o letramento e a curiosidade deles, a professora pode aproveitar a oportunidade para explicar o contexto da história, mostrar a capa e os desenhos do livro, sempre lhes perguntando o que acreditam que deve acontecer na próxima página, ou para fazer um resumo oral daquilo que eles entenderam da história.
Fazer um desenho sobre uma história.  Desenhar também é escrever um texto, que é não-verbalComo toda forma de comunicação, existe uma mensagem sendo passada ali. A partir do registro do desenho no papel, o professor tem a chance de perguntar ao aluno o que foi compreendido da história com mais detalhe, escutando os sentimentos que a história despertou nele. Essa conversa é um jeito leve de trabalhar as Competências Socioemocionais dos alunos, como Autoconhecimento e Criatividade.
Releitura de uma história ou capítulo.  Dar uma chance para que os alunos reescrevam o final de uma história que eles conheçam é um excelente meio para estimular a criatividade e o gosto pelas histórias! Eles podem fazer isso oralmente, escrevendo, desenhando, o que for melhor para o perfil da sua turma.
Associar leitura ao prazer, não ao hábito. A escola é uma fase muito especial na vida das crianças e jovens e nela todos têm a oportunidade de desenvolver muitas de suas potencialidades. Então, por que não aproveitar o espaço da escola para que os alunos experimentem diversos tipos de leitura (quadrinhos, romance, poesias etc)  e descubram quais eles mais apreciam e queiram ler durante a vida toda? Assim, sempre que puderem, eles vão procurar um livro por conta própria, em vez de encarar essa procura somente como uma obrigação. Já seremos obrigados a ler as coisas do mundo de qualquer jeito. Então, se a relação com a leitura for prazerosa, saberemos aproveitá-la nos momentos adequados!
Para encerrar esse texto com uma dica especial, vou me inspirar na experiência de vida do Willmann Costa: não deixe os alunos de castigo na biblioteca! A biblioteca deve ser um lugar voltado para o prazer com a leitura, em vez de um espaço tedioso de punição. 😉
Boas práticas das professoras da Estante Mágica
Nesta seção, compartilhamos atividades de sala de aula de professoras da Estante Mágica.
A professora Wilderlene Gonçalves faz a chamada e entrega um balão com foto de cada um dos alunos da turma de Pré 2. Então, ela coloca uma música para tocar e aí todos devem jogar os seus balões para cima. Em determinado momento, ela pausa a música. A partir disso, cada um por vez estoura seu balão, pega o papel que estava dentro dele, vai em direção do alfabeto móvel, seleciona uma letra e forma o nome que vinha escrito no papel. Após esse processo, todos liam o nome formado! Os alunos se alegram muito com essa atividade!